VENTANA - catodo frio, neon, iluminação, light design, lighting design, design, lâmpadas, fabricante de lâmpadas, display, display luminoso, display luminosos, display com gravacao, banner luminoso, banners luminosos, luminoso, luminosos, back light, posto de venda back light, gravacoes display, luminosos, banner luminoso, banners luminosos, display luminoso, personalizacao de display, personalizacao de banners luminosos

De lâmpadas de catodo frio a peças luminosas para merchandising, a VENTANA dedica-se a transformar ideias em produtos e serviços que ajudam a satisfazer as necessidades dos clientes e da sociedade.

contato

  • ventana@ventanabr.com

  • 55 11 4596-1100

    55 11 4596-3377

  • Av. Bertioga, 1705 - Várzea Paulista

    São Paulo - Brasil

    A+ A A-

    Rio oferecerá vacina da Pfizer para gestantes que tomaram 1ª dose da AstraZeneca


    É a primeira vez que uma capital brasileira adota a combinação de imunizantes, que não é prevista pelo Ministério da Saúde A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta terça-feira (29) que gestantes e mulheres que acabaram de dar à luz (puérperas) que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca poderão receber a segunda dose da Pfizer, 12 semanas depois, para completar o seu esquema vacinal contra a covid-19. É a primeira vez que uma capital brasileira adota a combinação de imunizantes, que não é prevista pelo Ministério da Saúde. A aplicação será feita "mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos [das mulheres] e assinatura do termo de esclarecimento", segundo a Secretaria Municipal de Saúde. O anúncio foi feito nas redes sociais pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, que afirmou que seguiu recomendação do comitê local de enfrentamento ao coronavírus e enumerou quatro países que autorizam e dez países que recomendam a mistura das doses. Initial plugin text Estão no primeiro grupo, de acordo com ele, Inglaterra, Espanha, Itália e Emirados Árabes. Já o segundo inclui Alemanha, França, Portugal, Canadá, Coreia do Sul, Chile, Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia. Neste mês, o Canadá passou a recomendar que pessoas tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca/Oxford contra a covid-19 recebam, preferencialmente, um imunizante desenvolvido a partir de tecnologia de mRNA (RNA mensageiro), como as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna. Soranz também publicou uma tabela citando seis estudos clínicos com mais 2.000 participantes pelo mundo que demonstraram a segurança e a eficácia do cruzamento das duas vacinas entre diferentes grupos e idades – nenhum deles com grávidas e puérperas, porém. Intercambialidade de vacinas Segundo a epidemiologista Denise Garrett, vice-presidente do Sabin Institute (EUA), a estratégia é "corretíssima". "Vários estudos mostram que a intercambialidade das vacinas é segura e eficaz. Inclusive é possível ter uma resposta imune até melhor com AstraZeneca e Pfizer. Vários países já estão adotando", diz. Para ela, o Rio adiantou uma decisão que deveria ter sido tomada pelo Ministério da Saúde, assim que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu a aplicação da AstraZeneca para grávidas e puérperas, em maio, após a morte por trombose de uma gestante, ainda em investigação. "O PNI [Programa Nacional de Imunizações] chegou a tomar a decisão de adotar a segunda dose da Pfizer para esse grupo, fez uma nota técnica, mas, quando chegou no ministro [Marcelo Queiroga], ele não se sentiu confortável em autorizar", afirma ela, lembrando que uma dose não funciona para novas variantes do vírus. Atualmente, a diretriz da pasta é que as mulheres que já tenham recebido a primeira dose da AstraZeneca aguardem o término do período da gestação e do puerpério e completem o esquema vacinal com esse mesmo imunizante, 45 dias após o parto. Francisco Seco/AP Taxa de letalidade A taxa de letalidade da covid-19 entre grávidas e puérperas no Brasil é a pior desde o início da pandemia e a imunização nesse grupo está bem abaixo do esperado, o que preocupa ginecologistas e obstetras. Apenas 6% delas haviam recebido ao menos uma dose até o último dia 21 no Brasil. Até o dia 17, o país computava 1.412 mortes maternas, sendo 959 só neste ano. Segundo o Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19, com base em dados do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade mais que dobrou do ano passado para este, de 7% para 17%. Uma das hipóteses para a explicar a baixa adesão à imunização é que a morte por trombose da gestante no Rio de Janeiro e a disseminação de notícias falsas nas redes têm assustado as grávidas e as mães que tiveram bebês recentemente. Não há nenhuma restrição para elas em relação às vacinas Coronavac e Pfizer.

    Leia mais no original https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/06/29/rio-oferecera-vacina-da-pfizer-para-gestantes-que-tomaram-1a-dose-da-astrazeneca.ghtml

    Copyright 2013, VENTANA. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Baloodesign